Ricardo Mota
Ricardo Mota
« página inicial do blog
19/08/2014

Atenção: melhorou muito a qualidade de candidatos à Assembleia

Preste bem atenção nos candidatos proporcionais que vão desfilar no guia eleitoral.

Parece-me que há uma boa nova: faz muito tempo que eu não vejo tantos bons nomes disputando vagas na Assembleia Legislativa, uma casa que virou sinônimo de escândalos em séria.

Arisco-me a dizer mais: há novos postulantes e detentores de mandato com conteúdo político e qualidade moral suficientes para merecer o nosso voto.

É claro que não basta vê-los e ouvi-los na televisão e no rádio. Faça uma pequena pesquisa sobre aquele que lhe despertou maior simpatia. Você pode confirmar sua preferência ou até mudar o candidato.

Para deputado federal, ainda que não tenhamos tanta quantidade, há sim candidatos que podem fazer a diferença no futuro.

Cá para nós: desconfie sempre dos engenheiros de obras prontas (“trouxe tantos milhões para a transposição do Salgadinho” – ou coisas assim).

Faço outra sugestão: no caso do candidato a federal, preste atenção naqueles que se propõe a fazer uma vigilância permanente ao governo e que defenda a necessidade de um tratamento desigual para os desiguais – quem precisa mais, deve receber mais.

E não defenda apenas “emendas” parlamentares, mas, principalmente, projetos estruturantes que ajudem Alagoas a sair do atraso.

A emenda, neste caso, também é pior que o soneto.

Postado às 12:12, Ricardo Mota 20 comentários postado em Geral |
19/08/2014

Guia eleitoral: começa a grande farsa

Esperança da maioria dos candidatos para que “a campanha pegue”, o guia eleitoral no rádio e na televisão transformou-se, de há muito, num espetáculo farsesco.

Os candidatos, em regra, lendo os textos produzidos por marqueteiros, fazendo caras e bocas orientados pelos especialistas na “grande vitrine”, vão desfilar durante um mês e meio nas nossas casas.

Entre os candidatos proporcionais, alguns personagens que se enquadrarão no folclore político, de onde sairão com a mesma velocidade que entraram.

É tudo muito previsível, e como numa guerra, a primeira vítima é a verdade.

Em tempos de celebridades, alguns candidatos arduamente treinados, vão se fazer passar por artistas conhecidos – aquele olhar, ah, aquele olhar! – usarão expressões da moda, demonstrarão o conhecimento que não têm, e, principalmente, vão mentir, mentir muito.

Serão quase todos assim.

Eis o problema e a solução – nem todos são iguais.

O melhor caminho para se escolher um candidato é buscar conhecê-lo de alguma forma: como atuaram profissionalmente (aqueles que já trabalharam na vida); se possível, que família construíram, com filhos que respeitam as leis e as outras pessoas; se já forem políticos, que trajetória construíram, de virtudes ou de escândalos – inclusive roubos e assassinatos -, se garantem que “investiram milhões de reais” nisso ou naquilo, sem que tenha tirado um centavo no bolso – até pelo contrário -, ou se foram olhos e vozes vigilantes daquilo que é fundamental para população.

Perder algum tempo perscrutando a história de um postulante ao seu voto é melhor do que desperdiçar quatro anos, quando só lhe restará o arrependimento ou o xingamento.

Esqueça os partidos. Todos viraram um amontoado, se nivelam por baixo, ainda que tenham – e todos, praticamente têm – bons nomes, merecedores do seu voto.

As legendas brasileiras mais antigas e tradicionais se tornaram uma velhacaria descartável após as manifestações do ano passado. As que foram criadas depois, ao que parece, nasceram carcomidas pelo ideal que “carregam” ou pela falta dele.

Acredito que os partidos terão um tempo de vida ainda, até que sejam sepultados no cemitério do esquecimento.

Os novos tempos que podem vir, no entanto, não devem prescindir desse momento.

Ouça e veja o guia eleitoral. Vai ter pancadaria de graça, mas é bastante provável que você se depare com gente decente que merece uma aposta.

Para quem gosta de filme trash, no entanto, pode ser um bom divertimento.

Aos que conhecem um pouco da história da arte, até uma ópera bufa pode ter bons atores. Mas só as plateias tolas e desprovidas de espírito crítico podem consagrar os canastrões.

Boa sorte.

Postado às 10:03, Ricardo Mota 18 comentários postado em Geral |
19/08/2014

Doze e Dez Notícias muda de horário durante o guia eleitoral

A partir de hoje – e até o próximo dia 2 de outubro – o Doze e Dez Notícias, na Pajuçara FM, muda de horário em função do guia eleitoral.

Começaremos a nossa conversa diária sempre às onze de meia da manhã.

Ainda que forçados a mudar pela circunstância objetiva, faremos o programa com o mesmo entusiasmo de sempre.

 

Postado às 9:09, Ricardo Mota 3 comentários postado em Geral |
18/08/2014

TJ suspende acordo da prefeitura de Maceió com servidores municipais

O desembargador José Carlos Malta, presidente do TJ, suspendeu o acordo feito pela Prefeitura de Maceió com os sindicatos de servidores municipais, formalizado em dezembro do ano passado, pela 14º Vara Cível da Capital.

Ele atendeu à Representação protocolada pelo procurador-geral de Justiça, Sérgio Jucá, a pedido do promotor Marcus Rômulo, que atua junto à Vara da Fazenda Municipal.

Como o próprio Rômulo afirmou ao blog, ele não é contrário ao acordo, que deveria pagar algo em torno de R$ 54 milhões a várias categorias funcionais – de débitos trabalhistas e promoções não realizadas – em 36 meses, conforme o acordado: “Tudo tem de ser feito dentro da lei”, ressaltou.

O que ele questiona?

Primeiramente: ele não foi intimado a comparecer à audiência que formalizou o acordo, “o que contraria a legislação. Eu só vim a saber do acordo depois que ele foi publicado”.

O promotor também questiona os valores a serem pagos ao escritório do advogado Fernando Costa, contratado pelos sindicatos que representam os servidores: R$ 10,8 milhões.

- É um valor muito alto, principalmente se a gente levar em conta que foi um acordo, negociado pelos dirigentes sindicais durante meses, até que fosse formalizado. Se eu tivesse comparecido à audiência, teria discordado com veemência desses valores. Só que eu não fui nem avisado.

O promotor Marcus Rômulo já foi procurado por dirigentes sindicais, inclusive da CUT (Izac Jackson à frente), para que revisse a sua posição.

O representante do MP insiste que é preciso que o acordo seja explicado detalhadamente, revisto – se for o caso – principalmente no que se refere aos valores advocatícios, mas garante que é favorável ao entendimento: “Dentro do que prescreve a lei”.

Em tempo:

A prefeitura de Maceió não havia ainda pago os honorários do escritório de advocacia e suspendeu o cumprimento do acordo desde quando o promotor encaminhou uma Recomendação neste sentido.

Esta é, talvez, a principal queixa dos servidores municipais que ameaçam entrar em greve geral.

Mas tem muito coisa nessa histórica que precisa ser melhor entendida e explicada.

Em tempo II

O presidente do Sindicato dos Servidores do Município de Maceió, Sidney Lopes, afirmou que a greve geral programada para a próxima quinta-feira não tem relação com o acordo judicial. Segundo ele, a prefeitura não estaria cumprido o que ficou estabelecido no acordo salarial deste ano – 5% de progressão para cerca de pouco mais de três mil servidores, informou o sindicalista.

Postado às 12:53, Ricardo Mota 17 comentários postado em Geral |
18/08/2014

Presidente do Senado foi o único a não comparecer ao enterro de Eduardo Campos

O presidente do Senado não compareceu ao velório ou ao enterro de Eduardo Campos.

Exatamente ele, o senador Renan Calheiros.

Não há justificativa plausível.

Se Campos o criticava e o apontava como símbolo de um modo de fazer política – o fisiologismo absoluto -, sendo o presidente do Congresso Nacional ele estava obrigado politicamente e moralmente a se fazer presente ao Recife. Ainda que no sábado à noite, já que ele tem um avião à disposição dele.

A presidente Dilma Rousseff, adversária de Campos, estava lá com o presidente Lula. Foi até vaiada – injustamente, não era o lugar, nem o momento-, mas deu ao cargo que ocupa o tamanho que ele deve ter.

Não foi o caso do presidente do Senado. Até o presidente da Câmara, Henrique Alves, marcou presença.

Tentei saber com a assessoria do senador os motivos da ausência. Além da confirmação de que Calheiros permaneceu mesmo por aqui, não há por enquanto qualquer explicação. Por motivos óbvios, só o senador pode falar sobre o tema.

O que venha a dizer não deve fazer grande diferença. As críticas que o presidenciável Eduardo Campos fazia ao presidente do Senado e ao seu principal aliado, Sarney, eram de natureza política.

Quem é um profissional do ramo como ele, deveria ter entendido que também é preciso ter coragem quando as situações são adversas.

Sabendo que ali ele não seria somente ele.

Postado às 10:48, Ricardo Mota 46 comentários postado em Geral |
18/08/2014

O que Pernambuco tem que Alagoas não tem

Tem orgulho, tem autoestima.

Foi possível observar, desde o sábado até ontem, uma imensa quantidade de bandeiras de Pernambuco, empunhadas por pessoas comuns – e sempre com muito orgulho –, no velório de Eduardo Campos.

Quem já foi ao carnaval do Recife alguma vez sabe que é sempre assim.

E aquela bandeira tem história. Simboliza a luta pela liberdade, por ideais que até hoje nos são muito caros.

A atual bandeira de Pernambuco é a mesma, praticamente, que foi desenhada na Revolução de 1817, quando Recife e Olinda, por dois meses, foi uma República encravada no Império português.

Aliás, foi graças a posição assumida pelos proprietários de engenho locais que Alagoas se desmembrou de Pernambuco.

O estado vizinho também perdeu território em 1824, com a Confederação do Equador, outro movimento de resistência à opressão, demonstrando que ali já nascera e brotara a semente da liberdade.

De uns tempos para cá, bem sabemos, perdemos ainda mais a motivação para que nos orgulhemos de ser alagoanos.

Somos motivo de chacota nacional, deboche, como se aqui só produzíssemos lideranças políticas descomprometidas com a população – compromisso só com o poder.

Isso não é justo para com o povo alagoano, mas,  infelizmente, a parte que se sobressai do estado é o que bem sabemos – e entendemos o porquê.

Quanto à bandeira de Alagoas, o que dizer dela?

Postado às 10:17, Ricardo Mota 55 comentários postado em Geral |

Arquivos