Ricardo Mota
Ricardo Mota
« página inicial do blog
03/04/2013

O tamanho do problema João Lyra

É quase impossível, agora, saber qual é o tamanho do problema João Lyra. As empresas vivem os dias sombrios da decadência célere de um império. As dívidas chegariam, já, a R$ 2 bilhões. Fornecedores sofrem com o calote, trabalhadores vivem a amargura de meses sem salário.

Ainda há saída para o Grupo JL e seu dono?

Há quem aposte que sim. Argumenta-se: a venda das duas usinas de Minas Gerais poderia ser a solução – ou o começo dela. O deputado-empresário não aceita.

Tramita na Justiça o pedido de falência, que já deveria ter sido julgado, mas ainda espera por uma decisão.

Como parlamentar, até por conta de problemas de saúde, JL é o mais faltoso da Câmara Federal. Mas é o mandato que ainda concede a ele força e poder para empurrar a crise e alguns processos judiciais com a barriga.

A “recuperação judicial” deu em água, e não há qualquer sinal de mudanças no rumo ao precipício.

As várias tentativas de troca de comando das empresas, até com o Bob Lyra, sobrinho a quem sempre foi mais ligado, também não vingaram.

Quem acompanha de perto o quadro desastroso é conclusivo: quanto mais demorar uma solução, pior para milhares de pessoas que já tiveram no grupo o seu meio de vida.

Bancos não perdem dinheiro – é a história. Trabalhadores e pequenos fornecedores, entretanto, são as grandes vítimas de uma tragédia anunciada.

Nos autos de um processo judicial não consta a dimensão do sofrimento das pessoas, mas quem vai bancar a conta do desespero humano?

Postado às 10:22, Ricardo Mota 29 comentários postado em Geral |
29 respostas para “O tamanho do problema João Lyra”

carlos escreveu:
03/04/2013 as 10:43

Por,mas valente que sejam os soldados,tem que recuar para abastecer atropa cansada e sem munição nesta linha de frente é puro suicídio e seu comandante por orgulho não cede e seus soldados,sabem que estão diante de um fanático.Sempre avançar é assim,que eu vejo este comportamento de quem sempre mandou sem limite!!!Orgulhooooooo!!!!

lidio vieira luna rocha escreveu:
03/04/2013 as 11:17

ESTOU VIVENDO ESTE DIFICIL MOMENTO DE PERTO O PAI DA MINHA ESPOSA E TRATORISTA DA USINA URUBA EM ATALAIA ELE ESTA A VARIOS MESES SEM RECEBER E NAO E SO ELE SAO MILHARES DE PESSOAS DA REGIAO QUANDO VOU LA SINTO E VEJO A REAL SITUAÇAO DE DESESPERO DE PESSOAS QUE ESTAO CERCADAS POR UM OCEANO DE PLANTAÇAO DE CANA DE AÇUCAR CUJA A PROPRIEDADE PERTENCE A UMA SO PESSOA QUE E O DEPUTADO JOAO LYRA QUE NAO SE RENDE NEM MESMO A SUA AVANÇADA IDADE SABENDO ELE QUE A VENDA DE UMA PROPRIEDADE TRARIA GAS RENOVADO E ESPERANÇA PRA TODA UMA POPULAÇÃO DE FAMINTOS E ALGUNS MILHOES A MENOS NO SEU GIGANTE PATRIMONIO SO NOS RESTA REZAR PRA QUE O DONO DE TODO OURO E TODA PRATA QUE EXISTE NESSA TERRA OLHE LA DE CIMA POR ESTE POBRE POVO.

Paulo escreveu:
03/04/2013 as 11:18

Cansei de ouvir dos analfabetos políticos, com boa escolaridade: “um homem como JL só pode ajudar Alagoas, é rico , não precisa roubar, é competente, blá, blá, blá, vou votar nele”. Aí eu pergunto: O que tem a ver um trabalhador votar em JL? Os interesses são os mesmos seus? Pobres coitados, tenho pena!

O problema MAIOR. escreveu:
03/04/2013 as 11:44

Se o Grupo João Lyra está nesta enrascada, porque deve cerca de R$ 2 bilhões, mas tem ativos para garantir e sanar tais percalços criados por falta de competência gerencial, quanto mais o Grupo Brasil capitaneado de 1995 a 28/03/2013 pelos presidentes Fernando Henrique Cardoso, Lula Inácio da Silva e Dilma Vana Rousseff, que de uma pequena Dívida Pública Federal deixada pelo então de saudosa memória presidente Itamar Franco de apenas e nada mais do que R$ 60 BILHÕES, R$ 60 BILHÕES, R$ 60 BILHÕES, elles chamados de FHC + LULA + DILMA pagaram apenas e só R$ 9,002 TRILHÕES, R$ 9,002 TRILHÕES, R$ 9,002 via MINISTÉRIO DA FAZENDA em forma de Juros, Amortizações, Encargos e Refinanciamento a Dívida Pública Federal e ainda devemos R$ 3 TRILHÕES, R$ 3 TRILHÕES, R$ 3 TRILHÕES. Toda essa lenga lenga nos credita que tomaram neste período acima mencionado mais do que uns míseros R$ 5 TRILHÕES, R$ 5 TRILHÕES, R$ 5 TRILHÕES, mas de EMPRÉSTIMOS, cujo destino eu não “sabu”, tu não “sabu” eles não “sabus”. Então não existe dívida porque diante desses números já foi PAGA há muito tempoo ou não? O que falta está no pensamento do Deputado Federal presidente da Câmara HENRIQUE ALVES ao disser: “O MODELO DE REPARTIÇÕES DE DIREITOS, DEVERES, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO ESTÁ FALIDO..” Falido, falido, falido, falido, falido, falido, falido, falido, comentar + o que se o governo está falido, falido, falido, falido, falido.
Se não acompanham os passos de HENRIQUE ALVES, quanto mais o meu raciocínio, diante do impasse só rindo da INCOMPETÊNCIA DE GOVERNAR SEM DIVISÃO EQUÂNIME DAS RIQUEZAS PRODUZIDAS E COM FALTA DE SERIEDADE NO TRATO DA COISA PÚBLICA.
Ademais só rindo.
P/Arabutan.

V.SANTOS escreveu:
03/04/2013 as 11:46

Ricardo,veja bem,em suma isso tudo é um verdadeiro descaso ao desespero alheio,quem trabalha assume compromissos,sabendo que irá receber seu pagamento,e quando isso não acontece?e outra coisa, ninguém vive sem alimentar-se,o joão lyra não pensa nisso?claro que não,com certeza apesar de suas dividas,ainda lhe restam muitas garantias financeiras,joão! se você tem o que vender para quitar suas dívidas e efetuar os pagamentos atrasados dos seus funcionários que o faça,mas a verdade é uma só: o egoísmo e a facildade em ter tudo o que se precisa, o fez um homem cruel.

carlos escreveu:
03/04/2013 as 11:53

Gostei Paulo de sua observação:È rico,competente,não precisa roubar e vai governar o estado como uma empresa:O estado hoje é governado por um empresário,que está deixando sua marca de que custa tomar decisão e passa uma imagem de indiferente a tudo e tados.Não tem avanço,na educação,segurança,saúde e deixa o servidor público na agonia pagando salários de fome.Hoje os salários do municipio de Maceió é melhor do que pago pelo empresário governador.Historicamente o estado pagava melhor.Agora!!!

Jose A Oliveira - JAOliveira escreveu:
03/04/2013 as 11:59

Estou torcendo que o grupo se recupere, por muitos anos foi tido como o mais forte de Alagoas, mais precisa recuar para se levantar vender os ativos nescessários. João Lyra tenha a força e visão de reculperação do Magnata Americano Donald Trump que já faliu quatro vezes e se reculperou e atualmente está fortíssimo e investindo.

wal escreveu:
03/04/2013 as 12:04

Quem defende este camarada, é porque não depende de suas empresas para comer.
Há uma diferença, entre quem não pode pagar, e quem não quer pagar.

Rosita Cardoso Silva escreveu:
03/04/2013 as 12:32

É simples. Coloca-se um interventor ficha limpa para gerir os negócios.

virgilio Rodrigues Moraes Filho escreveu:
03/04/2013 as 12:50

Caro, Ricardo.
Este Sr. João Lira continua sendo uma pessoas arrogante que só pense nele como sempre foi e será, ele hoje tem o que comer e os milhares de colaboradores dele e com sua familia estão mendigando o que comer. Sr.joão Lira coloque a mão na conciencia se existir uma e venda alguma coisa para aliviar a fome de quem votou no Sr. por ser analfabeto e trabalhar nas suas usinas, pense que neste momento na mesa deles estão sentados os filhos e esposa sem ter o que comer, e o Sr. carregado de farturas em suas dezenas de geladeiras, pense nisso.

Estévão escreveu:
03/04/2013 as 13:52

ornalistas acionam a Justiça para evitar calote de O JORNAL

João Lyra ainda não pagou salários e indenizações dos demitidos

Após várias negociações para que O JORNAL pague aos seus jornalistas as verbas rescisórias e de indenização, resultantes do fechamento da empresa e da demissão dos profissionais, o Sindjornal ingressou com ações na Justiça para exigir que a empresa cumpra imediatamente as obrigações.

As ações trabalhistas incluem o empresário e deputado federal João Lyra como litisconsorte (réu), e foram ajuizadas em virtude do mesmo não ter cumprido um acordo de parcelamento dos débitos. Através de Sílvia Sacuno (superintendente de O JORNAL e executiva do GRUPO JL), o deputado se comprometeu a pagar aviso prévio, férias e outras verbas rescisórias em três parcelas, além de recolher o FGTS atrasado e a multa de 40% em suaves prestações.

“Mesmo tendo a compreensão dos trabalhadores e facilidades para saldar o compromisso, o deputado, o Grupo JL e sua representante não cumpriram a palavra”, lamenta Valdice Gomes, presidente do Sindicato dos Jornalistas. Segundo ela, apenas alguns funcionários receberam as primeiras parcelas do acordo, enquanto outros não veem dinheiro desde novembro de 2012. “Dezenas de colegas foram jogados à própria sorte”, acrescentou.

Calote no Sindicato

Além de não pagar as verbas rescisórias e de indenização, a empresa do deputado também não pagou salários atrasados, e deixou de repassar ao Sindjornal contribuições descontadas dos jornalistas. Essas dívidas também estão sendo cobradas na Justiça e, no caso das contribuições, a retenção configura apropriação indébita.

Calote na Receita Federal

Outro crime cometido pela empresa do parlamentar é o não repasse, para a Receita Federal, das contribuições previdenciárias e do Imposto de Renda descontados dos trabalhadores. No ano passado, o Sindicato dos Jornalistas teve de entrar com representação no Ministério Público Federal denunciando a situação, haja vista que os profissionais caíram na malha fina e não conseguiam receber a restituição do IR.

Laranja

Apesar de pertencer ao deputado João Lyra e funcionar nas instalações do Grupo JL, a Empresa Editora o Jornal está no nome de outra pessoa, considerada de extrema confiança do parlamentar-empresário. Durante os cerca de dez anos em que ficou nas mãos de João Lyra, foi comandada diversas vezes por executivos do Grupo JL.

O próprio deputado, que também é dono da Rádio O Jornal e do portal de notícias Mais.al, deu várias declarações orgulhando-se de ser proprietário dos três veículos. Ele chegou a anunciar que, em breve, estaria adquirindo uma emissora de televisão. O conjunto de empresas era denominado “O Jornal Sistema de Comunicação”.

Fonte: Sindjornal

REGINALDO escreveu:
03/04/2013 as 14:34

TENHO UM GRANDE AMIGO QUE É CREDOR DE JOÃO LYRA EM 400 MIL REAIS PELO FORNECIMENTO DE CANA. NÃO SABE MAIS O QUE FAZER DIANTE DOS COMPROMISSOS EM SUA FAZENDA,PAGANDO ÁGUA, LUZ TRBALHADORES E SEUS ENCARGOS E POR AÍ VAI. E TENHO UMA GRANDE AMIGA QUE FOI ENGANADA POR 280 REAIS,POIS FEZ A ASSINATURA DO JORNAL DO JOÃO LYRA E DIAS APÓS O MESMO FECHOU.

Juanito escreveu:
03/04/2013 as 14:37

É o fim de um império da cana de açúcar, porém, deveria encerrar sua trajetória com dignidade, honrando os compromissos com trabalhadores e fornecedores que o ajudaram a construir sua riqueza. Outros grupos estão indo no mesmo caminho, mesmo com isenção de impostos e atrelados em cargos do governo estadual e municipal.

bebeto escreveu:
03/04/2013 as 15:02

Não há o que se comentar,é só decreta a falencia e o patrimonio honrar os compromissos com empregados e fornecedores.

Eduarda Castro escreveu:
03/04/2013 as 15:20

Caro Ricardo, os jornalistas do o Jornal, que foi fechado bruscamente em novembro passado estão em situação crítica e, não sabe se vão receber as verbas rescisórias. O acordo firmado não foi cumprido totalmente,FGTS não foi depositado desde 2007.E, para completar, nas audiências, os advogados querem afirmar que o jornal não pertencia ao JL, para não quitar as dívidas trabalhistas. Os ex-funcionários estão passando por dificuldade, contas atrasadas, cartas de cobrança chegando e outras pendências.

paulo Targent escreveu:
03/04/2013 as 15:35

Conta-se que um rico senador americano,nos anos de 1950,recebeu em sua propriedade, uma autoridade da igreja,para conhecer suas propriedades,como eram muitas, pegou de seus aviões de pequeno porte, e do alto, saiu apontando para grandes fazendas, industrias, terras ocupando quase todo estado onde residia,e em outros estados também,em cada lugar que sobrevoava, apontava para a propriedade e falava para a autoridade eclesiástica; “ta vendo alí, tambem me pertence, aquela outra industria também é minha, aquela extensão de terra junto a fazenda , que tambem me pertence, acolá também é meu”.
Foi interrompido pela autoridade que lhe falou:”Nada disso lhe pertence”
Como não?-Falou com veemência, o senador.

Ao chegar em uma de suas sedes, ele mostrou toda a documentação de cada propriedade, de cada industria, e tornou a peguntar .O senhor ainda tem dúvida de que tudo isso me pertence?Isso tudo me pertence, repetia o senador.
Sabendo que o senador, tinha idade avançada, a autoridade respondeu.
Pergunte-me isso daqui há 20 anos Senador.

Na vida existem um bem maior, que se todos nós, prestassem bem atenção, é o nosso maior tesouro, a vida é apenas uma passagem,para onde vamos não se pergunta quantos títulos tivesse, quanto em dinheiro possuístes, mas sim, te perguntarão o que fizestes de bom,ajudastes o teu próximo? a nossa vida é apenas um piscar de olhos, e nosso tesouro maior, não está nos bens materiais , mas em nossas ações.
Que Deus possa iluminar as mentes dos nossos políticos , empresários, magistrados, para que possamos ser um país mais justo com mas oportunidades para todos.

RICARDO ANDRÉ FERREIRA ALVES escreveu:
03/04/2013 as 16:13

É Verdade que Bancos não perdem dinheiro. Mas existe excessão que vem a ser o finado PRODUBAN.

fornecedor de cana fálido escreveu:
03/04/2013 as 16:49

Caro amigo Ricardo Mota, é triste a sintuação de quem depende do grupo João Lyra!, tenho vários débitos que foram feitos em bancos para invéstir nos meus canaviais, hoje tenho toda minha vida de trabalho nas mãos do senhor João Lyra, há mais de um ano que não recebo nada das canas por mim fornecidas, o mais gráve é minha inadiplencia junto ao meu pai que têm 80 anos e sofre de câncer a sobrevivência dele é do arrendamento de suas terras arrendadas a mim! só peço a Deus que alquém tomi providências caso contrário muitos pais de familia irão passar por uma grande depressão pelo aqual eu já tô começando a sintir!

Ari B Frederico Esteves Geraldo Feitosa Antonio Nelson escreveu:
03/04/2013 as 17:12

A culpa da quebra do império industrial do empresário e Deputado Federal João Lyra é das urnas eletrônicas. Perdeu a eleição para o Governo do Estado de Alagoas em 2006. Se tivesse ganho a his(es)tória seria outra. Ainda bem que o povo descobriu esse manobra e não votou nele. Ele perdeu. E Alagoas ganhou.

Silva escreveu:
03/04/2013 as 17:24

O real culpado por esta situação pode ser totalmente creditada ao TJAL, diante da conivência e conveniência economica e social com estes poderosos, onde as leis e a justiça não atingem.
Se tivessemos um judiciário decente e comprometido com toda a população e não com os poderosos, uma solução urgente já teria sido tomada para salvar as empresas e todos aqueles que estão mergulhados na dependencia total deste que não larga o osso de jeito nenhum. Assemelha-se aos grandes ditadores, que ao estarem perto de perder o poder ficam cegos e não caem fora antes, afundando junto com o navio.

Comentarista escreveu:
03/04/2013 as 17:46

Engraçado esse Estevão colocando uma nota do Sindjornal. Com o Grupo JL foi rapidinho rapidinho mesmo. Fecharam a empresa e se lascaram. Cade que o sindicato vai lá no Primeira Edição que esta com salários atrasados desde dezembro/2012?

Acorda Poder Judiciário escreveu:
03/04/2013 as 18:58

Se fosse um cidadão comum a justiça já teria penhorado seus bens e quitado os débitos, mas a pergunta é: por que a Justiça alagoana não faz isso? Até quando Alagoas vai continuar sendo um feudo de meia dúzia de senhores feudais, disfaçada de cidade! O Poder juciário é o único órgão que pode fazer alguma coisa e a pergunta que a sociedade faz é: POR QUE NÃO FAZ?? Pelos comentários vejo, que pessoas estão sofrendo, estão desesperadas! Enquanto isso a Justiça de Alagoas dorme em paz, uma paz a que somente os digníssimos magistrados têm direito!!

Sabidinho escreveu:
03/04/2013 as 19:10

Reza a lenda que é a maldição do PRODUBAN que assombra as usinas e destilarias em Alagoas.

Uma garça triste assiste de uma ruína o desmoronamento de outra ruína.

Marco escreveu:
03/04/2013 as 23:10

A cada dia que o Judiciário Alagoano não se posiciona o problema se agrava. As maiores vítimas são os trabalhadores, especialmente os mais simples. A grande multidão anônima.

Antonio escreveu:
04/04/2013 as 8:12

A época desse senhor de engenho já está passando.Os tempos serão outros…Alagoas precisa diversificar sua economia.Estaleiros,Montadoras de veículos, e outros seguimentos é o que o povo alagoano está precisando.Lamento muito pelos funcionários,que diga-se de passagem,muitos eram nariz empinado,achando que ganhavam muito dinheiro.

Ex-Jornal Sofredor escreveu:
04/04/2013 as 9:20

INFELIZMENTE, ninguém tem noção da real situação dos ex-funcionários do O Jornal. A tal, Silvia Sacuno (se diz mulher de Deus) fechou a empresa sem planejamento. Todos foram pegos de surpresa. E detalhe, alguns desde novembro não recebe os salários e foram demitidos e não receberam rescisão. Detalhe: NÃO TEM A QUEM RECORRER, QUEM FICOU NÃO DIZ NADA, SILVIA QUANDO ATENDE DIZ QUE NADA PODE FAZER. Enquanto isso… A Sra. Carmosina(esposa de JL)semana passada, deixou os funcionários e ex. sem receber salários e rescisões, e foi para Capadócia – Turquia; e não poupou em colocar nas colunas sociais.
Será que achou que ia encontrar o Théo???
Enquando ela estava lá, nós aqui pedindo R$ emprestado sem previsão de pagamento.
E ainda está cotado para ser ministro. É isso aí, quem pode, pode…
SR. JOÃO LYRA, PAGUE AOS SEUS FUNCIONÁRIOS, EXISTIU TRABALHO E QUASE ESCRAVO. E O SEU PROBLEMA É SER MAL ASSESSORADO.

ACORDA ALAGOAS escreveu:
04/04/2013 as 9:55

Wal, você falou tudo. Esse cidadão NÃO QUER PAGAR, ou seja, o mesmo debocha da justiça. Quanto a atuação dele como parlamentar, não me surpreende como mais faltoso e tão pouco como menos produtivo, pois só foi candidato em busca do foro por prerrogativa de função. Me espanta as pessoas votarem nesse cidadão, que pouco faz por Alagoas.

jose gustavo escreveu:
15/04/2013 as 15:04

ricardo sou trabalhador aqui da usina guaxuma e aqui tambem estamos todos desesperado sem receber e os mercados nao confia em nois trabalhadores da usina guaxuma,oque eu quero saber do deputado joao lyra quando vamos receber,porque o senhor deputado nao vende uma das usinas de minas e enveste aqui em alagoas? o senhor nao fala que e apaixonado por alagoas?

José wellington escreveu:
01/05/2013 as 15:58

Felizmente consegui sair do grupo a pouco mais de 6 meses , ainda não recebi porém segundo informações o grupo joão lyra não irá ter a tal ” parceria ” com seu sobrinho Bob Lyra , agora resta saber como é que as pessoas ficaram nesta situação de plena decadencia e outra a informações que a usina Coruripe estar querendo comprar a Usina Uruba e Guaxuma mentira também e agora o que as pessoas irão fazer ?

Utilize o espaço abaixo para deixar sua opinião:

Arquivos