Nide Lins
15/09/2014

Setembro, um mês de Boas Lembranças

Depois do sucesso do Chfes na Praia, o evento de Bar em Bar da Abrasel também acontecerá  na orla de Maceió em novembro

Depois do sucesso do projeto Chefs na Praia, a abertura do festival de Bar em Bar da Abrasel acontecerá na orla

O mês de setembro começou bem. No dia 03, o evento “Chefs na Praia” deu mais sabor à rua fechada da Ponta Verde com a venda de mais de cinco mil porções de comida brasileira. No dia 10, aconteceu o projeto “Merenda dos Chefs” para mil crianças da Escola Frei Damião, no Benedito Bentes. O creme de macaxeira com peixe e arroz de jerimum fizeram a felicidade da meninada.

Os dois eventos, organizados pela Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, deixaram o gostinho de quero mais. A novidade promete mais sabor no mês de novembro – os chefs voltam à praia no Festival de Bar em Bar, da Associação dos Restaurantes e Bares (Abrasel). Aplausos.

Merenda escolar dos  chefs: Creme macaxeira com peixe e arroz de jerimum

Merenda escolar dos chefs: creme macaxeira com peixe e arroz de jerimum

Depois da novidade, vamos à receita que o blog sempre publica nas segundas-feiras. Desta vez, são duas – a da merenda escolar do chef Cesar Santos, do restaurante Oficina do Sabor, em Olinda, e a sopa de feijão de Vera Moreira, do Akuaba. As duas são inspiradas nas memórias do chef pernambucano.

Cesar Santos nunca se esqueceu da sopa de feijão com legumes servida na merenda em sua escola, no Recife. “A gente chamava as merendeiras de tias, amava a sopa de feijão, cada aluno levava um legume para fazer”, conta o chef, que fez da sua memória de sabores o projeto “Hora Feliz”.

Sopa de feijão com legumes a boa lembrança do chef Cesar Santos

Sopa de feijão com legumes, a boa lembrança do chef Cesar Santos

Das lembranças gastronômicas do tempo de criança, o chef Cesar levou o projeto “Hora Feliz” a três cidades: Rio de Janeiro, Olinda e Maceió, que recebeu o projeto em festa. Na cozinha da escola, os panelões foram compartilhados pelas merendeiras, os voluntários do curso de gastronomia e os chefs da Boa Lembrança Cesar Santos (Olinda), André Generoso (Divina Gula), Jonatas Moreira (Akuaba) e  Jeff Colas  (Olinda).

Na receita, ingredientes regionais. Macaxeira, peixe, leite de coco, arroz e jerimum. A proposta é oferecer sabor, fazer com que as crianças deixem de lado os lanches industrializados por uma alimentação saudável e rica em nutrientes.

Chefs da Boa Lembrança preparam mil refeições para as crianças da Escola Frei Damião

Chefs da Boa Lembrança preparam mil refeições para as crianças da Escola Frei Damião

Na escola Frei Damião, além da merenda elaborada pelos chefs, as merendeiras aprenderam como aproveitar melhor os alimentos.

Bom, a Associação da Boa Lembrança já deu o primeiro passo. Agora é abraçar a ideia e adotar alimentação saudável no lanche criançada.

Creme de Macaxeira e Peixe com Arroz de Jerimum do Chef Cesar Santos

Rendimento: 10 Porções

Equipe comandada pelo chef André Cesar na cozinha da Escola Frei Damião

Equipe comandada pelo chef André Cesar na cozinha da Escola Frei Damião

Ingredientes

200 gramas de cheiro verde

1,5 quilo de filé de peixe em cubos (temperado com sal)

1 quilo de macaxeira cozida e amassada como purê

1 litro de leite de coco

4 cebolas picadas

5 tomates bem maduros picados

2 pimentões verdes picados

300 gramas de extrato ou polpa de tomate

300 ml de creme de leite

100 gramas de mostarda amarela

Óleo

50 ml de Azeite de Oliva

50 ml de Azeite de dendê

06 dentes de alho picados

Modo de preparo

Em uma panela com óleo, refogue a cebola e o alho. Em seguida, acrescente o frango já temperado com sal, adicione o tomate, o pimentão o extrato de tomate e o cheiro verde. Deixe cozinhar até o frango ficar tenro. Acrescente o aipim cozido, deixe refogar por alguns minutos e acrescente o leite de coco e o creme de leite até obter um creme espesso e homogêneo. Deixe ferver mexendo sempre para não grudar no fundo. Por fim, acrescente os azeites de oliva e dendê para finalizar. Sirva acompanhado de arroz de abóbora.

 

ARROZ DE JERIMUM

Ingredientes

01 Kg de arroz cozido e escorrido

01 kg de jerimum cozido e amassado como purê

100 ml de óleo

01 cebola ralada

Modo de preparo

Refogue a cebola com o óleo até obter uma coloração transparente da cebola, adicione o purê de abóbora e deixe refogar. Acrescente o arroz já cozido, adicione sal a gosto e sirva como acompanhamento do bobó de peixe.

Ingredientes da sopa de feijão

Ingredientes da sopa de feijão

Sopa de feijão por Vera Moreira

Com as lembranças do chef César Santos, a chef Vera Moreira  (Akuaba) enviou a receita da sopa do feijão que ela prepara para seus filhos Aina e o chef Jonatas.  Sopa de Mãe, melhor coisa do mundo. Vera fazia principalmente quando eles eram crianças. “Antes de ir trabalhar deixava a sopa pronta porque sempre me preocupei em alimentar meus filhos com sabor e comida saudável, nada de enlatado”, lembra.

Ingredientes

01 tomate

01 cebola pequena

01 molho pequeno de coentro

Dois dentes de alho

02 colheres de sopa de extrato de tomate

Sal a gosto

01 osso de patinho

02 duas xícaras de feijão cozido

01 pedaço pequeno de abóbora

01 batata

meia cenoura

Meio chuchu

Meia xícara de chá de massa de Sopa ou macarrão picadinho

Modo de preparar

Cozinhe o feijão com alho, cebola, cebola, extrato de tomate e osso de patinho. Depois que o feijão cozinhar,  bata no liquidificador e peneire. Junte com legumes (bem picados)  e deixe cozinhar. Coloque por último o macarrão.

Dica: Para quem aprecia, um pouco de cominho socado com alho dá um sabor especial

 

 

Postado às 13:45, Nide Lins 1 comentário postado em Geral |
12/09/2014

Caruaru, além da feira. E com sabor italiano

Caruaru, cidade pernambucano, bem perto de Maceió, é o destino de compras,comer, beber e viver

Caruaru, cidade pernambucano, bem perto de Maceió, é o destino de compras,comer, beber e viver

“A Feira de Caruaru,/ Faz gosto a gente ‘vê’./ De tudo que há no mundo,/ Nela tem pra ‘vendê’,/ Na feira de Caruaru…”

… Uma viagem até cidade pernambucana abençoada pelos mestres do barro, faz a gente lembrar a música de Luiz Gonzaga. Mas preste atenção, Caruaru é, além do artesanato e das feiras, também um centro da melhor culinária. Lá come-se bem, desde culinária nordestina ao restaurante italiano La Vera. Dessa vez vou ficar devendo dicas de restaurantes especialistas no bode guisado ou na fava, outras tradições da cidade.

Restaurante La Vera, ótima comida italiana em Caruaru

Restaurante La Vera, ótima comida italiana em Caruaru

Na viagem à convite da Masterop Operadora (leia-se Carolina Feitosa) traçamos um breve roteiro de comer, viver, beber e comprar em Caruaru. E nesse itinerário contamos com o auxilio luxuoso de Carmen Coutinho (formada em gastronomia e especialista em botecos).

Pra começo de conversa, quem vai até Caruaru tem por obrigação conhecer o Alto do Moura, o bairro onde são produzidos os famosos bonequinhos de barro, e tudo começou o Mestre Vitalino, também tocador de banda de pífano.

Vamos aos pontos:

Alto do Moura: Museu do Mestre Vitalino, visita obrigatória em Caruaru

Alto do Moura: Museu do Mestre Vitalino, visita obrigatória em Caruaru

Casa museu - A casa do Mestre Vitalino é o museu mais famoso do lugar, expondo o acervo do artesão e músico que conquistou o mundo com as esculturas de barro. Seu filho Severino Pereira dos Santos, sempre presente na instituição, mantém viva a tradição pai e também é escultor de mão cheia.

Instigante: no Memorial do Mestre Galdino parte de seus sonhos em barro

Instigante: no Memorial do Mestre Galdino parte de seus sonhos em barro

Mestres –  No alto do Moura tem o roteiro dos mestres, os artistas populares com seus ateliers bem identificados, pra nenhum turista se perder nem se confundir. O mais fascinante é o Memorial do Galdino (falecido), com suas esculturas nas quais misturam-se o humano e o animal. Seu filho Joel continua no batente, multiplicando o legado.

Miniatura da mestra Marliete, filha do famoso Mestre Zé Caboclo

Miniatura da mestra Marliete, filha do famoso Mestre Zé Caboclo

Herdeira –   Destaco também as miniaturas esculpidas pela ceramista Marliete, filha do famoso Mestre Zé Caboclo, um dos primeiros bonequeiros a exercer o ofício no Alto do Moura. Dona de domínio técnico perfeito, ela recria com riqueza de detalhes temas consagrados por outros artistas, como as cenas de retirantes, a volta da roça e a rotina da lavoura.  Ela trabalha, com a família, reproduzindo cenas cotidianas e vende suas peças para colecionadores do Brasil e do mundo.

Os bois do filho do mestre Vitalino, Severino

Os bois do filho do mestre Vitalino, Severino

Roteiro  das Artes– Como todos os ateliers merecem ser visitados, o melhor é passar antes na Associação dos Artesãos do Alto do Moura e pegar um mapa da cidade com o roteiro dos mestres (Elias dos Santos, Luiz Galdino, Família Vitalino, Zé Galego, Família Zé Caboclo, Família Luiz Antonio, Memorial do Mestre Galdino e Família Manuel Eudócio…)

Nova versão das sandálias show boi. Este para azul foi adquirido pelo jornalista Felipe Camelo, integrante da viagem

O exemplar da sandália xô boi azul foi adquirido pelo jornalista Felipe Camelo na Feira de Caruaru.

 

Tem tudo – A Feira de Caruaru é como a música do Luiz Gonzaga diz: tem de tudo, cachorro, papagaio, confecções e artesanato de couro, madeira, barro, palha, e para os fãs tem loja com o artesanato de Minas Gerais. Ótimo para compras.

Muito leve: mão de vaca na barraca da Silvia, na Feira de Caruaru

Muito leve: mão de vaca na barraca da Sandra, na Feira de Caruaru

Mão de vaca – Depois das compras vamos à comilança, primeiro nos botecos da feira. Sob a coordenação de Carmen Coutinho conhecemos a  Barraca da Sandra. Lá provamos mão de vaca (super leve) com muita cartilagem, seguida do saparatel (bem miudinho) e a feijoada (o melhor prato da casa). Simples e bom.

La Vera, restaurante Italiano em Caruaru, muito charmoso

La Vera, restaurante Italiano em Caruaru, muito charmoso

Sem ketchup- Logo na primeira página do restaurante La Vera, está informado, para quem deseja saborear as massas, pizzas, pães… “Não servimos ketchup nem maionese”. Aprovei a medida, pois esses molhos matam qualquer pizza ou massa. O restaurante italiano, com apenas dois anos de existência, é o melhor italiano da região. Inicie a expedição pelos pães caseiros com sal grosso e bom vinho.

As bruschettas são feitas com pão especial e têm variados recheios, desde o tradicional de tomate (simples, mas o melhor) seguido pelos sabores de ragu (carne moída), toscana (linguiça e queijo).

Pizza rustica, do restaurante La Vera é mais que perfeita e vicia

Pizza rustica, do restaurante La Vera é mais que perfeita e vicia

Não deixe de provar - A pizza rústica é a predileta da Eliza (filha da Carmen). A massa vem com molho de tomate, mussarela, linguiça, gorgonzola e  brócolis. É de pedir bis, e deixa saudades. Ótima dica de Eliza.

O restaurante é do italiano Gianni Vene, também artista plástico, que se apaixonou pela pernambucana Islane Gonçalves… e assim nasceu o La Vera (“A Verdadeira”, numa tradução direta). O restaurante também recebeu indicação da seguidora do blog Lucía Villanueva. Aprovadíssimo.

Pecado da gula -Os pães preparados na cozinha da La Vera

Pecado da gula: Os pães preparados na cozinha do restaurante La Vera

Gente do turismo: a simpática recepcionista d o hotel

Gente do turismo: a simpática recepcionista do hotel Citi Hotel

Para se aconchegar –Ficamos no City Hotel Residence, é o mais novo meio de hospedagem na cidade. Dispõe de apartamentos amplos, confortáveis; e um café regional, no capricho, que tanto apreciamos e indispensável para trilhar os caminhos de Caruaru..  Valor da diária do apto casal é de R$ 204,00 já com café da manhã.

Pousada simpática do Auto do Moura

Um dos apartamentos da Pousada Casa Gente no Alto do Moura

Pousada Casa da Gente –Fica no Alto do Moura e é muito simpática;  não conheci os serviços de hospedagem, mas gostei do estilo rústico, típica casa do interior, onde  do proprietário (podemos visitar) guarda uma valiosa coleção do Mestre Galdino.

Obra do mestre Galdino, coleção particular da Pousada Casa da Gente

Obra do mestre Galdino, coleção particular da Pousada Casa da Gente

Rota Caruaru

Masterop –  www.masterop.com.br – telefone: 82 3216.200

Feira de Caruaru: Feira de Artesanato de segunda a Sábado, das 05 às 17h/ Feira da Sulanca – Segunda Feira às 5h

La Vera: Av Jangadeiro Juvencio 196 -Caruaru -Telefone: 81 3721-7329 (Não aceita cartão)

Museu do Mestre Vitalino:  Rua Mestre Vitalino, s/n | Alto do Moura | Telefone: (81) 3721.1257/ Visitação: Segunda a Sábado, das 8h às 12h e das 14h às 17h – Domingo das 9h as 13h.

Memorial Mestre Galdino:  Rua são Sebastião, 181 – Alto do Moura.Horário de Funcionamento: Segunda a Sábado de 8h às 12h e das 14h às 17h, Domingo de 9h às 13h.

Mais fotos de Caruaru

Tradição: Feijoada do jornalista Marcolino Jr em Caruaru com Alexandre Lima, Carolina Feitosa, Sheyla e Amanda divulgando os pacotes turísticos da Operadora Masterop

Tradição: Feijoada do jornalista Marcolino Jr em Caruaru com Alexandre Lima, Carolina Feitosa, Sheyla e Amanda divulgando os pacotes turísticos da Operadora Masterop

Guias da boa gastronomia de Caruaru: Carmen, Islane, Vene e Eliza no La Vera

Guias da boa gastronomia de Caruaru: Carmen, Islane, Vene e Eliza no La Vera

A Silvia, dona da melhor feijoada na Feira de Caruaru

A Sandra, dona da melhor feijoada na Feira de Caruaru

blog caruaru4

 

 

 

 

Postado às 9:26, Nide Lins 7 comentários postado em Geral |
10/09/2014

Pastel de dona Geo, o campeão de agosto

Dona Gel aos 83 anos ao lado de sua filha é chef nata

Os quitutes de Dona Gel (ao lado de sua filha) foram sucesso de acesso do blog

Os 28 anos de cozinha de dona Geo não foram em vão. Sempre muito alegre, a aposentada diz: “Fazer pastel é a minha diversão. Nem conto quantos faço”.  Mesmo sem saber o número, ela ficou feliz com sua história publicada no blog – a clientela aumentou, afinal, 2.772 pessoas curtiram a trajetória da alagoana. Em segundo lugar ficou a peixada da Edna (restaurante Maragaço), em Maragogi, com 881 visualizações. Já os hambúrgueres caseiros do Montagu’s levaram a terceira posição, com 723 acessos.

Vamos, então, recordar os sabores dos campeões de acessos de agosto:

Quitutes da Geo

Com 83 anos, cabelos brancos e largo sorriso, a dona Gertrudes Wanderlei Araújo, ou simplesmente Geo, está sempre de bem com a vida. Sua felicidade é o tempero dos seus pastéis, sanduíches, coxinhas de galinha, e dos maravilhosos sucos da própria fruta. Comida simples, mas são os recheios de carne do pastel e do sanduíche que há 28 anos conquistam estômagos e corações no bairro do Jaraguá (próximo a Polícia Federal). E justiça seja feita, todos os quitutes da Geo são ótimos, mas a carne moída tem um diferencial: é macia e vem misturada com purê de batata, cebola, pimentão e tomate verde (leva duas horas cozinhando) que confere o sabor especial.  Um detalhe significativo: Na panela da Geo não entra cominho.

 

Rota Pastel da Geo – Avenida Walter Ananias, 893 -Jaraguá – Telefone: 3231-1377 – antes (direção Jaraguá/praia da Pajuçara) da Policia Federal- Entre a Nordeste Auto e a GrafNobre — Não aceita cartão

Pastel de carne de dona Gel é campeão de vendas há 28 anos na pequena lanchonete no Jaraguá

Pastel de carne de dona Gel é campeão de vendas há 28 anos na pequena lanchonete no Jaraguá

Imperdível: suco de mangaba feito com a própria

Imperdível: suco de mangaba feito com a própria

A peixada a moda da casa no restaurante Maragaço, em Maragogi é mais perfeita

A peixada a moda da casa no restaurante Maragaço, em Maragogi é mais perfeita

Melhor Peixada

Uma viagem até a cidade de Maragogi é surpreendente. elegi a história saborosa e empreendedora do casal de alagoanos José Luiz e Edna,  donos do melhor restaurante de frutos do mar na região. O restaurante  Maragaço fica na própria residência do casal,  que aos poucos foi cedendo espaço para o restaurante, de frente ao mar de Maragogi, no centro. E digo sem medo:  Edna faz a melhor peixada que já comi em Alagoas, tanto que José Luiz diz: “O lugar é simples, mas depois de comer nossa peixada a senhora vai voltar”.  E realmente, fui fisgada pelo estômago e coração.

Rota Maragaço – Maragogi (litoral norte de Alagoas)- Av. Senador Rui Palmeira N° 1001, Centro de Maragogi – 082 3296-2041. Aceita cartão

 

Qualidade do Montargu´s: hambúrguer artesanal de cordeiro com mini-bacons crocantes,  , queijos, tomates, alface e molhos no pão cenoura

Qualidade do Montagu´s: hambúrguer artesanal de cordeiro com mini-bacons crocantes, , queijos, tomates e alface

Hambúrguer artesanal

Mini-bacons crocantes,  carne de cordeiro 150 gramas, queijos, tomates, alface e molhos, todos ingredientes bem guardados no pão com sabor de cenoura. Na primeira mordida, o prazer de comer hambúrguer artesanal, fabricado com esmero. Assim são os hambúrgueres do Montagu´s, casa alagoana especializada na iguaria. O queridinho dos comensais é de picanha (180gramas) recheado com mussarela, coberto com queijo cheddar, bacon crocante, salada e molho tartare. Para aguçar o paladar, um time de molhos de maionese caseira temperada sabor queijo parmesão, cenoura, calabresa com pimenta de cheiro, catupiry com salsa e azeitona.

 Rota do Montagu´s – Av. Dep José Lages, 405-A – Telefone: 33175616 (aceita cartão)

 

Tentação: milk-shakes de  nutella (creme de avelã) e o de biscoito negresco

Tentação Montargu´s: milk-shakes de nutella (creme de avelã) e o de biscoito negresco

 

Postado às 0:37, Nide Lins 1 comentário postado em Geral |
07/09/2014

Doce homenagem à Tia Jacy, famosa irmã Rocha

 Filhoses é um doce servido com calda de açúcar, uma tradição carnavalesca que o tempo não apagou

Filhoses doce tradicional do carnaval, uma das receitas que Tia Jacy fazia perfeito

No dia 7 de setembro, dia que os chefs da Boa Lembrança celebravam os sabores brasileiros no evento “Chefs da Praia”, recebi a notícia do falecimento da “Tia Jacy”, chamada, assim, carinhosamente pela família, uma dos baluartes da gastronomia alagoana (leia-se irmãs Rocha).  Jacy morreu no sábado à noite, com 92 anos. A nossa mestra era especialista em fazer o doce filhoses, e tive o privilégio de aprender com ela. Em sua homenagem, publicarei o post com a receita do doce tradicional dos carnavais.

Tia Jacy, dama da gastronomia alagoano morreu com 94 anos

Tia Jacy, dama da gastronomia alagoana morreu com 92 anos

Jacy, a mais tímida das irmãs, deixou seu legado gastronômico registrado no livro “Delícias da Cozinha alagoana” das irmãs Rocha, e das seis,  apenas a Yêda Rocha, aos 84 anos, é viva, mas com alma de menina, sempre conferindo as comidinhas de boteco, cozinhando seus quitutes, a exemplo de seu bolo de rolo, e feliz com o sucesso do seu neto Serginho Jucá (restaurante Sur) .

Domingo foi dia chuvoso, frio, cinzento,  mas tinha os aromas, sabores e alegria da nova geração de chefs da Boa Lembrança na Praia da Pajuçara, gente que mulheres como Tia Jacy inspiraram a cozinhar com amor.

Cláudia Pessôa, Yêda Rocha, chef Wanderson Medeiros e Tia Jacy, durante a homenagem as Irmãs Rocha no aniversário do Restaurante Picuí

Cláudia Pessôa (secretária de Turismo de Maceió), Yêda Rocha, chef Wanderson Medeiros e Tia Jacy durante a homenagem as Irmãs Rocha no aniversário do Restaurante Picuí no ano de 2009

Post publicado em 6 de fevereiro de 2013 

Minha mãe, dona Nia, sempre dizia que os “filhoses”, doce tradicional de carnaval, só podiam ser comidos na festa de momo – nem antes e nem depois. E, assim, a família esperava o carnaval chegar para saborear os singelos doces em formato de bola, envolvidos numa calda de açúcar (que faz toda a diferença). Em 2011, tive o privilégio de entrevistar Tia Jacy, como é chamada pelos amigos uma das irmãs Rocha, que ensinou como fazer o doce e os segredos.

O doce, de tão bom, é impossível comer apenas um. O filhós, segundo dona Jacy, entra na panela como chimbra e sai do tamanho de pingue-pongue. Para fazer o doce é necessário farinha de trigo, água, sal, ovos, manteiga e margarina, e o arremate final é abrir o doce ao meio para melar com calda de açúcar.

Livro das Irmãs Rocha, um clássico da literatura gastronômica de Alagoas

Livro das Irmãs Rocha, um clássico da literatura gastronômica de Alagoas

No livro “Delícias da Cozinha Alagoana”, a página 172 é dedicada à receita dos filhoses de Carnaval. Na apresentação da receita, elas dizem: “Tradição mantida em nossa família e em muitas casas nordestinas, é fazer filhoses nos dias de Carnaval. Uma receita que rende 40 bolinhos. Por serem deliciosos, geralmente aumentamos em duas ou três vezes a receita”.

Os ingredientes da massa: farinha, ovo, sal e água. Para a calda: açúcar, canela e água

Os ingredientes da massa: farinha, ovo, sal e água. Para a calda: açúcar, canela e água

Segredos de Jacy:

Adicionar  os ovos um por um. “Ovo deve integrar a massa, para então receber outro”, diz Jacy, acrescentando que se o ovo for pequeno deve usar quatro, já o de tamanho grande bastam três.

Fazer a calda de doce (uma xícara de açúcar e uma xícara de água) com dois pedaços de pau de canela, pois dá aroma e uma cor bronzeada à calda.

Segredo: na batedeira coloca-se ovo por ovo

Segredo: na batedeira coloca-se ovo por ovo

Certo: No final, adiciona-se o fermento. A consistência certa é escaldada, ou seja, pedaços ficam presos na colher de pau ou na batedeira.

Com a massa pronta, o próximo passo é fazer as bolinhas com o auxílio de duas colheres de sopa para modelar, e esqueça as mãos. Por último, jogue as bolinhas, cinco de cada vez, no óleo quente em fogo médio. Evite o fogo alto, porque queima a massa e por dentro fica crua.

“A calda é fácil de fazer. Quando ela começa a borbulhar, já esta boa. Coloque na geladeira para engrossar”, diz Jacy, que deu uma verdadeira aula de filhós.

O doce é simples, delicado e leve. Ideal para comer quentinho com a calda gelada. A iguaria é  daquelas que a memória gustativa não esquece.

Com os filhoses, as recordações de Jacy dos antigos carnavais têm mais sabor. “Sempre gostei do Carnaval  com filhoses”, diz Jacy, que também recorda do seu tempo de modista.

“Nos antigos carnavais, eu criava e costurava as vestimentas da família para o concurso de fantasia no Clube Fenix Alagoana. A gente sempre ganhava. Era tudo muito bonito”, recorda Tia Jacy, patrimônio da gastronomia alagoana.

Origem– Filhós é um doce português da Beira, típico da época de Natal. Mas no Nordeste, a tradição é no período do Carnaval, uma tradição esquecida com o tempo. Em Maceió, ele pode ser degustado no  Sueca Comedoria (todos os domingos e especialmente nesta semana. No carnaval o restaurante é fechado) – Av. Dr. Antônio Gouveia, 1103 -Telefone:(82) 3377-2205.

Jacy também buscou no dicionário Aurélio Buarque de Holanda (inclusive com dedicatória do próprio autor) o significado da palavra filhós. Segundo o mestre Aurélio, Filhó (do latim) Foliola, plural de Foliolu, diminutivo de folia.

 

Receita dos filhoses

200ml de água fervente (ou um copo americano)

1 colher de sopa de margarina

1 colher de sopa de manteiga

1 pitada de sal

200 ml de farinha de trigo

3 ovos grandes (ou 4 pequenos)

1 colher de chá de fermento em pó

 Para a calda

Uma xícara de açúcar

Uma xícara de água

2 pedaços de pau de canela

Preparo

Ferva a água com a margarina, manteiga e o sal. Em seguida, acrescente toda farinha de trigo e bata vigorosamente, para não encaroçar. Retire do fogo, despeje a massa sobre uma superfície lisa e com rolo estique até esfriar. Junte a massa e sove bem até ficar lisa. Coloque na batedeira e adicione um ovo de cada vez. Segredo: ovo deve integrar a massa, para então receber outro. Quando a massa estiver homogênea, aqueça um óleo. Para fazer as bolinhas, use duas colheres de sopa. Com óleo quente, acrescente cinco de cada vez para fritar no fogo médio. Depois de fritos devem ficar douradinhos.

Para a calda: misture o açúcar, água e canela em fogo alto. Quando borbulhar tire no fogo e coloque na geladeira para engrossar a calda. Se quiser, rale casca de limão no caldo.

Tia Jacy, com a sobrinha Tatália, mantém a tradição dos filhoses no Carnaval

Tia Jacy, com a sobrinha Tatália, mantém a tradição dos filhoses no Carnaval

 

Postado às 23:28, Nide Lins 10 comentários postado em Geral |
05/09/2014

10 maravilhas de Maragogi

Praia do Antunes, em Maragogi, linda e deserta. Que seja assim eternamente

Praia do Antunes, em Maragogi, linda e deserta. Que seja assim eternamente

Fim de tarde, o mar sereno continua azul, coqueiros ao vento, barquinhos, e a temperatura da água morna.  Tudo inspira a felicidade, um convite para se banhar nas praias de Maragogi sob as bênçãos de Iemanjá, rainha do mar. As praias são estrelas da cidade, São Bento com o sabor do doce dos bolinhos de goma, Antunes deserta e esplêndida, Peroba da cor do céu…

Maragogi é além de belas praias: enumerei mais nove maravilhas da cidade para você curtir o ano  inteiro sem pressa, e o melhor é que até novembro é período de baixa temporada, a partir de R$ 100,00 é o preço da diária para casal com café da manhã. Estive em Maragogi por uma causa nobre: conferir os sabores do Festival da Lagosta, que fica em cartaz até o dia 30 setembro. Veja as 10 maravilhas, a praia é a primeira delas

 

Festival da Lagosta em Maragogi até o dia 30

Festival da Lagosta em Maragogi até o dia 30

2 – Festival

Turismo e gastronomia estão sempre bem casados, e até 30 de setembro é tempo do Festival de Lagosta de Maragogi. Serão 14 receitas dos chefs de pousadas, hotéis, resorts e restaurantes. A cidade está mais saborosa, as  receitas vão desde Lagosta ao perfume de capim santo até o saboroso pastel do crustáceo. Durante o evento, os pratos têm desconto entre 20 e 40% . Mais informações: Costa dos Corais Convention & Visitors Bureau -Telefone: 82 3296-1305

Batismo de mergulho nas Galés de Maragogi, uma benção da natureza

Batismo de mergulho nas Galés de Maragogi, uma benção da natureza

3- Galés de Maragogi

O maior tesouro ecológico da Costa dos Corais. O passeio de catamarã só é possível na maré baixa, e tem várias piscinas de águas cristalinas mornas e peixinhos para ver e fotografar. Outra ótima opção é o mergulho para conhecer a vida marítima, mas lembre-se, não tire corais, não alimente os peixes, a natureza agradece. Preço do passeio: a partir de R$ 65,00. Duração de duas horas.

Galés de Maragogi,uma das maravilhas da Costa dos Corais. Foto Costs dos Corais Convention & Visitors Bureau

Galés de Maragogi,uma das maravilhas da Costa dos Corais. Foto Costa dos Corais Convention 

Árvore Visgueiro com mais de 500 anos da nome a trilha mais famosa na cidade de Maragogi

Árvore Visgueiro com mais de 500 anos dá nome a trilha mais famosa na cidade de Maragogi

4 – A trilha do Visgueiro

É a mais famosa de Maragogi, com duração de quatro horas. A caminhada começa na área rural de Maragogi, no assentamento Água Fria. O nome da trilha é uma homenagem à árvore Visgueiro, com mais de 22 metros de altura, e com seus ditos 500 anos de vida. Suas raízes são uma fortaleza. Um lugar sagrado para fotografar com calma. Preço: R$ 30,00 por pessoa. Mais informações (82) 3296-2010 / 9113-8299, ou na própria sede da Coopeagro, na AL-101 Norte, em Maragogi. Veja o post completo no blog do dia 30 de agosto.

Mulheres de Fibra bordam o filé da bananeira,ótima lembrança de Maragogi

Mulheres de Fibra bordam o filé da bananeira,ótima lembrança de Maragogi

5 – Mulheres de Fibra 

Dez mulheres das comunidades da zona rural de Maragogi  integram a  Associação das Mulheres de Fibra, que usa a fibra do caule da bananeira para bordar o ponto de filé.  Da arte dessas agricultoras nascem o artesanato utilitário e decoração. São carteiras, bolsas de praia, descanso de mesas e muitos bordados de fibra que viram quadro das paredes de hotéis e residências. Onde encontrar: Vitrine do Artesão (Na praia do Centro de Maragogi)

Carteira e outros produtos da fibra da bananeira, o tipico artesanato de Maragogi

Carteira e outros produtos da fibra da bananeira, o tipico artesanato de Maragogi

Tia Marlene, doceira mais famosa de São Bento

Tia Marlene, doceira mais famosa de São Bento

6 – Lado do Doce 

Assim que adentramos no povoado de São Bento, as barraquinhas de doces e bolachas produzidas em pequenas fábricas, na própria casa dos moradores, desperta o olhar dos  visitantes. Os famosos bolinhos de goma em formato de concha são as mais requisitadas. A Tia Marlene, uma das quituteiras mais tradicionais do povoado, também faz por encomenda o biscoito Sua Mãe (base de coco ralado, manteiga e goma de mandioca). Imperdível. telefone: (82) 3296.7186

Biscoito Sua Mãe, Tia Marlene só faz por encomenda. Não é tão famoso, contudo é o melhor

Tia Marlene só faz o biscoito Sua Mãe por encomenda. Não é tão famoso, contudo é o melhor

 

Todo dia 11 de cada mês tem missa nas ruínas do Mosteiro de São Bento

Todo dia 11 de cada mês tem missa nas ruínas do Mosteiro de São Bento

7 – Fé

Anote: dia 11 de cada mês é dia de fé, dia de procissão (começa as 5h00) até o Mosteiro de São Bento ,localizado no alto da colina.  O templo em ruínas surgiu por volta de 1695 e é tombado pelo IPHAN. Depois da procissão é realizado a missa a céu aberto e com direito a café da manhã feito pela comunidade. Tem uma bela vista para o mar, também é visitado no passeio de bugre pela cidade.

Curtir o amanhecer do sol na procissão até as ruínas de São Bento

Curtir o amanhecer do sol na procissão até as ruínas de São Bento

Fazenda Marrecas em Maragogi, belo exemplar do turismo rural

Fazenda Marrecas em Maragogi, belo exemplar do turismo rural

8 – Turismo rural

Além da trilha de Visgueiro, existem outros roteiros rurais, a exemplo da Fazenda Marreca (grupo Salinas). Ideal para a família curtir os ares do campo com todo o conforto. Na Cooperativa dos Pequenos Agricultores Organizados tem o roteiro completo do turismo rural. Dica: Aproveite para comprar os produtos agrícolas do Coopeagro,  destaque para castanha. Mais informções: www.coopeagro.org/ – Telefone(82) 3296.2010 .

Lua cheia no Grand Oca Maragogi, resort ideal para família

Lua cheia no Grand Oca Maragogi, resort ideal para família

Alagoanissímo - resort Salinas tem o melhor sistema de all inclusive (alimentos e bebidas inclusas na diária

Alagoano - resort Salinas tem o melhor sistema de all inclusive (alimentos e bebidas inclusas na diária)

9 – Pouso

Na cidade de Maragogi tem meio de hospedagem para todos gostos e bolsos, são pousadas econômicas, hotéis, resorts e pousada de charmes. A Camurim Grande é ideal para lua de mel. Já o Salinas de Maragogi, Grand Oca e Hotel Praia Dourada são indicados para as famílias com várias atividade de lazer.

Vida Mar no Salinas de Maragogi o caminho para renovar o corpo e a alma

Vida Mar no Salinas de Maragogi, lugar ideal para renovar o corpo e a alma

10 – Bem estar

O Salinas de Maragogi tem o melhor sistema de all inclusive com ótimos vinhos, cervejas e gastronomia. Para relaxar – O mar de Maragogi, por si só, já é um relaxante natural, mas que deseja cuidar do corpo e da mente pode aproveitar o Salinas de Maragogi, que tem o SPA de bem estar. O ritual da lavagem dos pés com água, sal grosso e gengibre em pó é perfeito, no Vida Mar SPA. Se é nos pés que carregamos todo o nosso peso, o cansaço do dia, a massagem pelos pés é um ótimo começo. Já andando mais relaxada, é hora da massagem com mel e gengibre, o corpo fica grudado, é verdade, porém as propriedades do mel e gengibre ajudam a revigorar o corpo e aumentam a sensação de frescor, além de atuar nos pontos de inflamações e dores musculares. É tão relaxante que dá até vontade de dormir. O SPA Vida Mar está sob o comando a massoterapeuta Rosiane Venâncio(SPA Tatien), também é aberto ao público.

Minha dica de roteiro de Maragogi para qualquer estação, em especial no Festival da Lagosta. Boa Viagem

Rota de Maragogi

www.costadoscoraisalagoas.com –  www.facebook.com/costadoscoraisalagoas

Telefone: (82) 3296.1305

 

Postado às 10:42, Nide Lins 2 comentários postado em Geral |
02/09/2014

Comidinhas dos Chefs por R$ 10

 

Pãozinho de queijo carne suína (leitoa) em fatias, criação de André Generoso para Chefs na Praia

Pãozinho de queijo carne suína (leitoa) em fatias, criação de André Generoso para Chefs na Praia

O clássico pãozinho de queijo de Minas Gerais nas belas praias de Maceió ganhou novo formato – o de mini baguete. A mudança é por uma causa nobre: tudo para abrigar a carne suína (leitoa) em fatias. Mas, antes da leitoa reinar soberana no pão, ela é desossada para receber tratamento de rainha, com banho de sal, ervas e pimenta do reino. Para finalizar, é recheada com presunto, enrolada como bolo de rolo e por fim vai ao forno. Macia e bem temperada, é agraciada com cebolas roxas e o próprio molho do sumo da carne.

Esta obra de arte da cozinha brasileira leva a assinatura do chef André Generoso (leia-se: Divina Gula), com o nome de Sanduíche de Porccheta. A preciosidade estará dentre os 10 pratos do “Chefs na Praia”, que acontecerá no próximo domingo dia 07 de setembro na Arena Gastronômica da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, das 11 até as 17 horas, na Rua fechada da praia da Ponta Verde e com preço camarada: apenas por R$ 10,00.

Acarajé da família do Akuaba será um dos dez quitutes na praia da Ponta Verde

Acarajé da família do Akuaba será um dos dez quitutes na praia da Ponta Verde

Prepare seu coração e estômago, pois 10 chefs alagoanos e convidados de outros Estados irão preparar 10 receitas diferentes. No time alagoano, além de André Generoso, dividirão as panelas Simone Bert (Wanchako), com o tradicional cebiche de pescado (peixe marinado no limão, cebola roxa e batata doce); Wanderson Medeiros (Picuí) com o baião de dois com carne de sol na nata; Jonatas Moreira (Akuaba) com o seu famoso acarajé; Jorge Bandeira (Le Corbu), que apostou no mini quiche de cogumelos e azeite trufado; e Ronyeli Lima (Le Sururu/ hotel Ritz Lagoa da Anta) com seu vol-au-vent (massa folhada) com recheio de sururu.

Os chefs convidados são: Felipe Mulato (Cantina do Délio/PR) com risoto de aspargos frescos, queijo brie e presunto de Parma; Clovis Viana (Patuscada/MG) e seu famoso ragú de costelinha, polenta e couve crocante; Flávio Trombino (Xapuri/MG) traz o arroz de Jeepeiro; Gabriela de Carvalho (Quintana Café/PR) criou o barreado alagoano; e Pedro Rodrigues (Bartrô/RJ) com os doces de compotas e sorvetes Fika Frio.

Baião de Dois pelo chef Wanderson Medeiros

Baião de Dois pelo chef Wanderson Medeiros

Bom, eu já decidi. No café da manhã, só suco e frutas, afinal, as comidinhas do chefs na praia é uma viagem pelos sabores brasileiros no belo cenário da Praia da Ponta Verde.

Acorde – Na programação do Chefs na Praia também terá aulas show na cozinha gourmet montada em frente à praia. As apresentações serão gratuitas e ministradas pelos chefs da Boa Lembrança César Santos (Oficina do Sabor – Olinda/PE), Juan Pratginestos (Montserrat – Pirenópolis/ GO), Juarez Campos (Oriundi – Vitória/ES), Laura Bonaiutti (Laura e Francesco – Valinhos/SP) e Fabrizio Abatte (Don Fabrizio – Porto Seguro/BA). As inscrições deverão ser feitas no dia do evento no próprio local e por ordem de chegada.

Ceviche de pescado da Chef Simone Bert

Cebiche de pescado da chef Simone Bert

Entenda mais – O evento Chef na Praia é a primeira feira de gastronomia aberta ao público de Alagoas. A comilança é organizada pela Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, atualmente comandada pelo alagoano de coração André Generoso.

A feira também contará com barracas com vinhos ManzWine, Bodega Amalia e Trapezio. Além de Chopp Cevada Pura, águas, sucos e refrigerantes, e o Brownie da Lila.

 XIX Congresso da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança

Feira Gastronômica “Chefs na Praia” que acontece no domingo (07) das 11h às 17h na rua fechada da orla de Ponta Verde. Preço das comidinhas R$ 10,00

O XIX Congresso da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança recebeu o patrocínio do Governo do Estado de Alagoas, Sebrae, Prefeitura de Maceió, Faculdade de Tecnologia de Alagoas, Palato, Manzwine, Casa da Indústria, Gráfica Ideia, Grupo Ultraplast, Grendene, Fika Frio, Prosin Pescados, Cevada Pura, Novo Brasil. Mais informações diretamente com a secretaria da Associação pelo número (81) 3429-0190.

 

Postado às 23:51, Nide Lins 19 comentários postado em Geral |
02/09/2014

Qual seu sabor predileto da empada?

Paixão: Empadas são meu ponto fraco, a do restaurante merece atenção especial. Ela é esguia e vem recheada com cogumelos e especiarias. Adicionei pingos do azeite aromatizado com anis e virei fã.

Paixão: Empadas são meu ponto fraco, a do restaurante Pasta & Salsa você escolhe o sabor

No post de segunda-feira, dia 1º, comentei a novidade do restaurante Pasta & Salsa comandada por três novos talentos da gastronomia alagoana: Iran Almeida, Thomas Berto e Idnaldo Almeida. Nesta terça-feira (2) reforço minha indicação, em especial sobre as empadas do restaurante que merecem atenção especial.

A iguaria é esguia e vem recheada com cogumelos e especiarias. Adicionei pingos do azeite aromatizado com anis e ficou supimpa!. Mas o ponto alto é que o cliente pode escolher o sabor (carne do sol, carne suína, camarão, polvo, frutos do mar e cogumelos com especiarias). A massa da empada desmancha no céu da boca. Para acompanhar uma cerveja ou uma taça de vinho por R$ 12.00.

A jornalista Luciana Buarque (e a dica serve para todos) perguntou se o restaurante tem massa sem glúten, o chef Iran, disse que sim. No menu do restaurante tem o nhoque de batata doce para quem não pode comer glúten e também é divino.

Veja o post completo do Pasta & Salsa na edição do dia 1º de agosto.

Rota Pasta & Salsa

Empada a partir de R$9,90

Av Engenheiro Paulo Brandão Nogueira Nº 350 (vizinho ao Divina Gula)- Telefone: 3432-5629 Funciona de terça a domingo. Das  12:00 as 15h e das 19 horas até meia noite.

Postado às 11:02, Nide Lins 1 comentário postado em Geral |
01/09/2014

Sabores inusitados das massas artesanais

Aprovado: Rondelli (artesanal) é uma massa recheada com creme de queijo e presunto, escoltada com lascas de bacalhau e mergulhada no molho de azeite aromatizado com pimentões coloridos e tomate seco

Aprovado: rondelli (artesanal)  recheado com creme de queijo e presunto, escoltada com lascas de bacalhau e mergulhada no molho de azeite aromatizado com pimentões coloridos e tomate seco

Não tem garçom, mas tem mimo gastronômico. Comida preparada na hora, sem pressa, mas os sabores compensam esperar. Foi assim que conheci o novo restaurante (só tem seis meses) Pasta & Salsa,  um lugar pequeno e perfeito para se esbaldar  nas massas artesanais, preparadas na cozinha do restaurante comandado por três novos talentos: Iran Almeida, Thomas Berto e Idnaldo Almeida.

Um belo exemplar da nova casa é o Rondelli  com lascas de bacalhau e também as receitas inusitadas com batata doce (no final do post tem a receita do Rolinho de bacalhau) conquistaram meu coração e estômago. Rondelli (artesanal) é uma massa recheada com creme de queijo e presunto, escoltada com lascas de bacalhau e mergulhada no molho de azeite aromatizado com pimentões coloridos e tomate seco. A massa é deliciosa e os ingredientes vêm em perfeita sintonia. O vinho sugerido pelo nosso chef Iran Almeida (também é sommelier)  é o bom vinho branco português .

batata doce reina soberana na cozinha dos chefs. A receita, criada pelo Iran, não leva farinha de trigo e é de pedir bis

Batata doce reina soberana na cozinha dos chefs. A receita do nhoque, criada pelo Iran é saborosa

O nhoque de batata doce com pesto de amendoim e lascas de bacalhau é uma deliciosa surpresa ao paladar. Sou fã deste tubérculo, pois remete ao sabor de infância, minha mãe, dona Nia, fazia a batata doce para comer com charque desfiada. Simples e divino.  Agora, a batata doce reina soberana na cozinha dos chefs. A receita, criada pelo Iran, não leva farinha de trigo e é de pedir bis. Para neutralizar o doce do tubérculo, o nhoque é feito com ervas e molho pesto de amendoim: a finalização ideal para a batata doce. Para realçar ainda mais o sabor, pimentões coloridos e bacalhau com salsa.

Outras delícias do Pasta & Salsa

Paixão: Empadas são meu ponto fraco, a do restaurante merece atenção especial. Ela é esguia e vem recheada com cogumelos e especiarias. Adicionei pingos do azeite aromatizado com anis e virei fã.

Paixão: Empadas são meu ponto fraco, a do restaurante merece atenção especial. Ela é esguia e vem recheada com cogumelos e especiarias. Adicionei pingos do azeite aromatizado com anis e virei fã. Melhor de tudo, no Pasta & Salva podemos mudar o recheio da empada

Rolinho de batata doce: Eu pensava que bacalhau só combinava com batata inglesa, mas errei e feio, no restaurante tem a versão de rolinho de batata doce com bacalhau e azeitona. Uma das entradas dignas de elogio do restaurante.

Rolinho de batata doce: Eu pensava que bacalhau só combinava com batata inglesa, mas errei e feio, no restaurante tem a versão de rolinho de batata doce com bacalhau e azeitona. Uma das entradas dignas de elogio do restaurante. Veja receita no final do post

 

Os mimos – Os chefs da casa dão boas vindas com aperitivos gratuitos. E os famosos mimos são sempre novidades, a exemplo do bolinho de macaxeira e carne de sol. Em minha opinião, é mimo que não pode faltar.

Mimos – Os chefs da casa dão boas vindas com aperitivos gratuitos. E os famosos mimos são sempre novidades, a exemplo do bolinho de macaxeira e carne de sol. Importante não tem sabor de óleo

Apimentado – A massa pappardelle caseira (larga) é boa apenas no sal e azeite, mas apostei na dica do chef Iran, e saboreei com pimenta calabresa, molho de tomate natural e camarão grelhado com pimenta rosa e flor de sal. Dica: Tem massa integral.

Apimentado – A massa pappardelle caseira (larga) é boa apenas no sal e azeite, mas apostei na dica do chef Iran, e saboreei com pimenta calabresa, molho de tomate natural e camarão grelhado com pimenta rosa e flor de sal. Dica: Também tem versão de massa integral

Carne e queijo – Os pasteis são outra entrada da casa. Massa caseira crocante com recheio de carne temperada com salsinha, e tem o pastel de queijo. Para escoltar este aperitivo eu recomendo cerveja bem gelada. E tem mais podemos pedir outro recheio da casa.

Carne e queijo – Os pasteis são outra entrada da casa. Massa caseira com recheio de carne temperada com salsinha e pimenta rosa, e tem o pastel de queijo. Para escoltar este aperitivo recomendo cerveja.

Para adoçar a vida: pudim de queijo coalho. Perfeito

Para adoçar a vida: pudim de queijo coalho. Sobremesa perfeita do Pasta & Salsa

Entenda a cozinha – No Pasta e Salsa, o cliente pode fazer as suas escolhas, por exemplo, tipo da massa, molho, ingredientes, carnes, peixes, camarões, e por aí vai. Mas confesso: me deu preguiça. Preferi que o chef fizesse minha escolha e deu certo. Claro, ele pergunta o que mais gostamos e o que não queremos no prato. Com breves perguntas ele monta a receita.

Ivanildo, Iran e Berto, nova geração de chefs alagoano

Pasta & Salsa – Idinaldo, Iran e Thomas nova geração de chefs alagoanos

Eles– Thomas Berto e Idinaldo Almeida não são conhecidos, pois ficam nos bastidores da cozinha (para nosso prazer). Ambos trabalharam juntos no resort, em Barra de São Miguel, e aceitaram o convite do Iran Almeida para investirem no seu próprio negócio. Assim nasceu o Pasta e Salsa. Thomas é chef de massas e Idinaldo chef de finalização.

A cozinha sempre foi a diversão do Iran. O bom menino ficava por lá saboreando os quitutes da tia Madalena e a sopa de cebola com batata inglesa da mãe Marta. Mas seu começo na gastronomia foi no curso de garçom do Senac, onde abriu os olhos para o mundo dos vinhos. Depois, retornou ao Senac como professor, e assim o rapaz deslanchou no cenário gastronômico.

O chef Iran trabalhou e fez consultorias em vários restaurantes de Maceió e no resort Kenoa (Barra de São Miguel), também estagiou em Búzios com chef Danio Braga. Agora, no seu próprio empreendimento, se divide entre o salão, sommelier e chef de criação do Pasta & Salsa. E ainda arruma tempo para o projeto Chef em Casa .

Além dos vinhos, tem bons drinques, como a limonada suíça com ou sem alcool

Na casa oferece bons drinques, como a limonada suíça com ou sem álcool

Curioso: O  restaurante não tem carta de vinhos fixa. “Sempre garimpo bons vinhos com custo-benefício para poder harmonizar, tenho sempre um tipo de cada vinho no restaurante”, explicou o chef Iran.

Apenas lembre-se: o lugar é para ir sem pressa. O sabor da trilha sonora é MPB e Bossa Nova, boa escolha.

Rota Pasta & Salsa

Os preços das massas vão de acordo com a escolha do cliente, por exemplo, a massa tradicional (penne, espaguete, fettuccine ou linguine) é a partir de R$ 16,90. 

O Rondelli com bacalhau custa RS 26,90 .Os pratos são individuais, mas de bom tamanho. Entradas a partir de R$ 10,90. 

Av Engenheiro Paulo Brandão Nogueira Nº 350 (vizinho ao Divina Gula)- Telefone: 3432-5629 Funciona de terça a domingo. Das  12:00 as 15h e das 19 horas até meia noite.

Aceita cartão

Receita

Cozinhe a batata doce (500 gramas) em um caldo de legumes (cozinhe os legumes de preferência com sal e pimenta a gosto e use esse caldo) até ficar molinho. Deixe-o esfriar para desaparecer parte da umidade e depois macere, reserve.

Já o bacalhau (300 gramas) em posta,reserva 2 horas no leite integral dentro da geladeira. Depois, cozinhe  por mais 30 minutos na água com folhas de louro e uma cabeça de alho cortada ao meio (as lascas desmancham).

Seque bem o bacalhau e puxe as lascas no azeite, adicionando salsa para finalizar. A proporção da mistura é de 60% de batata doce para 40% de bacalhau. O bacalhau é enrolado na massa, frito em olho de girassol e empanado  com farinha,  que pode ser de arroz, integral, bolacha Maragogi, enfim, vai de acordo com a preferência. Use leite para juntar o rolinho à farinha de escolha.

Postado às 0:08, Nide Lins seja o primeiro a comentar! postado em Geral |
29/08/2014

Trilha do Visgueiro, sabor rural em Maragogi

Árvore Visgueiro com mais de 500 anos da nome a trilha mais famosa na cidade de Maragogi

Árvore Visgueiro com mais de 500 anos  é a trilha mais famosa na cidade de Maragogi

Dia 9 de agosto, São Pedro estava zangado e providenciou um mundo de chuva; e, cá com meus botões, pensei: “novamente não vou conhecer a Trilha do Visgueiro”.  Tenho certeza que o Santo ouviu meu lamento e deu uma trégua. E assim saímos para fazer a caminhada na área rural de Maragogi, na qual se resguarda uma árvore, um Visgueiro, com mais de 500 anos – garantem os especialistas.

Contudo, São Pedro interrompeu a trégua e fizemos a caminhada debaixo d´água. Mas nosso guarda chuva foi a própria mata atlântica, bem fechada ainda naquele perímetro. Mas como toda trilha, essa com duração de quatro horas, vale mesmo o sabor de aventura, especialmente em dias de chuva, com o solo escorregadiço.

Caminhada de 4 horas pela trilha do Vesgueiro

Caminhada de 4 horas pela trilha do Vesgueiro

O ponto de partida na trilha é no assentamento Água Fria, com suas típicas casinhas de interior. A grata surpresa são as mulheres da comunidade que traçam a fibra da bananeira no artesanato de filé. Mas antes de conhecer estas mulheres de fibra, vamos a trilha.

Guia Neto e arvores cheia de espinhos

Guia Neto e arvores cheia de espinhos

Nosso guia é da própria comunidade, Neto, com 22 anos e conhece o roteiro na palma da mão. Lá vamos nós pelos sítios, entre as plantações de macaxeira. A trilha tem pouco grau de dificuldade, apenas no começo uma subida, mas nada que enfarte. Quatro pessoas compõem o grupo.

No chão, as folhas secas são nosso tapete natural. O guia aponta para várias espécies de arvores, e explica “que agora começaram ser catalogadas”. Nos chama a atenção uma trepadeira que nasce na parte mais alta de uma árvore e vai descendo até sufocar a própria hospedeira. Lei da Natureza…

No caminho cogumelos vermelhos

No caminho cogumelos vermelhos

São apresentadas também espécies replantadas, como o “pau-falho”, que estava em extinção e um curioso arbusto, alto, de espinhos, típico do lugar. De alguns troncos cortados exalam ótimas fragrâncias naturais. Pelo chão brotam diferentes cogumelos, em especial um de tons avermelhados.

As formigas, e os cupins, com suas gigantes casas formam montanhas no meio da mata. A presença do bicho gente afugenta os outros animais, mas, segundo Neto, o local está cheio de tatus, cotias, tejos (ou teiús), quatis e pássaros de todos os tipos.

Detalhe do Visqueira em busca do sol de Maragogi

Detalhe do Visqueira em busca do sol de Maragogi

Uma caminhada e tanto. Mas, finalmente, chegamos até o Visgueiro com mais de 22 metros de altura, e com seus ditos 500 anos de vida. Suas raízes são uma fortaleza. Um lugar sagrado para fotografar com calma.

Depois de apreciar árvore centenária, mais um pouco peregrinação até uma fonte de agua mineral, fria e doce. Em dias de sol o banho de bica é inevitável.

Dia de chuva: neblina e as plantações de abacaxi

Dia de chuva: neblina e as plantações de abacaxi

No final do percurso as plantações de abacaxi dão mais charme. O melhor de tudo, temos coco para bebericar água doce e fresquinha.

Enfim, ótima trilha. Minha única sugestão é para comunidade preparar uma galinha guisada, comida típica de sitio, aí nossa Trilha do Visgueiro ganha sabor reforçado. De lá saímos direto para comer a peixada do Maragaço (primeiro post da série Maragogi).

Na trilha do Visgueiro voltamos a ser criança

Na trilha do Visgueiro voltamos a ser criança

Neto nos diz que a diversão da meninada é se pendurar no cipó e voar como o Tarzan dos velhos filmes. Claro, eu não me aventurei, mas João Lamenha não pensou duas vezes, e fez um leve voo, numa divertida brincadeira de criança.

Na pequena cachoeira leva até o banho de bica com água doce

Na pequena cachoeira leva até o banho de bica com água doce

Rota Trilha do Visgueiro

Uma das 23 Rotas Oficiais da Copa do Mundo de 2014, numa iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), em parceria com o Ministério do Turismo (MTur) e o Sebrae, com foco na promoção e comercialização de produtos, serviços e destinos da agricultura familiar .

Preço: R$ 30,00 por pessoa

O que levar – frutas, barras de cereais e água. Máquina fotográfica e bom humor.

Telefone:(82) 3296-2010 / 9113-8299, ou na própria sede da Coopeagro, na AL-101 Norte, em Maragogi

Tapete de folhas no caminho da trilha do Visgueiro

Tapete de folhas no caminho da trilha do Visgueiro

Borboleta na mata atlântica de Maragogi

Borboleta na mata atlântica de Maragogi

 

 

Postado às 13:35, Nide Lins 1 comentário postado em Geral |
27/08/2014

Almoço no Jatiúca com sabor de história

Lagostim Grelhado com Emulsão de Coentro, estrela do Domingo ao Ponto do resort Jatiúca

Lagostim Grelhado com Emulsão de Coentro, estrela do Domingo ao Ponto do resort Jatiúca

Guardo boas lembranças no sitio onde nasci (apesar de ter nascido numa maternidade, assim que saí de lá fui levada direto para o sítio de meus avós e meus pais) em Mangabeiras.

Recordo quando meu pai me levava até a praia da Jatiúca, era uma longa caminhada por uma estrada de terra no meio de uma capoeira que era o loteamento, pontilhado com poucas casas, chamado Marilu (nome que depois desapareceu do mapa).

Resorts Jatiúca prestes a completar 35 anos lança a novidade almoço nos dias de domingo

Resorts Jatiúca prestes a completar 35 anos lança a novidade almoço nos dias de domingo

Depois de muito caminhar, alcançávamos a praia, passando por casinhas de pescadores, coqueiros, dunas. E o mar com suas ondas bravas davam medo, achava que seria engolida. Mas o progresso foi mudando rapidamente a paisagem do bairro, a partir de 1979, com a inauguração do hotel Jatiúca, o que fez o mundo descobrir Maceió e suas belas praias.

Hoje totalmente reformado, oferece como uma das novidades o “Domingo ao Ponto”, almoço com sistema de buffet no restaurante Canoas.

Espaço Kid's e Clubinho Jacaré, paraíso para criançada

Espaço Kid’s e Clubinho Jacaré, paraíso para criançada

Para quem tem filhos, a melhor noticia: a participação dos pequenos no Espaço Kids, no Clubinho Jacaré, sob os cuidados dos recriadores, está incluso no preço de R$ 39,90 (por pessoa). Resumindo: come-se a vontade (sem balança) e a criançada se diverte a beça. Sonho de consumo dos papais e mamães, titios e titias e vovós.

Mesa de queijos, convite ao vinho

Mesa de queijos, convite ao vinho

No Domingo ao Ponto, a mesa é farta: saladas, queijos, peixes, carnes, feijão, arroz, massas, pães, doces… A medalha do primeiro domingo foi pro Lagostim Grelhado com Emulsão de Coentro.  Temperado no sal, o crustáceo, partido ao meio, só precisa de um pouco de azeite e nada mais.

A mesa de frios também merece atenção. Repleta com queijos de primeira linha, é um convite ao vinho. No lançamento foram 16 opções de salgados, além dos doces como o tradicional pudim.

Pães: fabricação da própria da cozinha do Jatiúca

Pães: fabricação da própria da cozinha do Jatiúca

Os pães, de fabricação própria, são outras estrelas do Jatiúca.

Quem comanda a cozinha é o sergipano Adriano Leal, com experiência de cozinha de hotelaria em Aracaju, Angra dos Reis e São Paulo. O chef disse que cada domingo tem uma surpresa, mas sempre será servido lagostim ou camarão.

O Domingo ao Ponto, projeto bem família, tem bom custo/beneficio, e com o sabor de diversão para a criançada.

Tradicional pudim de leite  no Domingo ao Ponto

Tradicional pudim de leite no Domingo ao Ponto

Bastidores do Domingo ao Ponto: chef Adriano Leal, Ana Cláudia e Claudio Cardoso

Bastidores do Domingo ao Ponto: chef Adriano Leal, Ana Cláudia e Claudio Cardoso

Rota do Domingo ao Ponto

Todos os domingos das 12h às 16h. Preço por pessoa: R$39,90 (taxa de serviço e bebidas não inclusos). Crianças até 06 anos não pagam. www.hoteljatiuca.com.br

Bolo de massa puba, um dos destaques do resort Jatiúca

Bolo de massa puba, um dos destaques do resort Jatiúca

Postado às 12:12, Nide Lins 4 comentários postado em Geral |

Arquivos